Editing Hidrogeologia de Angola

Jump to navigation Jump to search

Warning: You are not logged in. Your IP address will be publicly visible if you make any edits. If you log in or create an account, your edits will be attributed to your username, along with other benefits.

The edit can be undone. Please check the comparison below to verify that this is what you want to do, and then save the changes below to finish undoing the edit.

This page supports semantic in-text annotations (e.g. "[[Is specified as::World Heritage Site]]") to build structured and queryable content provided by Semantic MediaWiki. For a comprehensive description on how to use annotations or the #ask parser function, please have a look at the getting started, in-text annotation, or inline queries help pages.

Latest revision Your text
Line 1: Line 1:
 
[[Africa Groundwater Atlas Home | Africa Groundwater Atlas]] >> [[Hydrogeology by country | Hidrogeologia por país]] >> Hidrogeologia de Angola
 
[[Africa Groundwater Atlas Home | Africa Groundwater Atlas]] >> [[Hydrogeology by country | Hidrogeologia por país]] >> Hidrogeologia de Angola
  
  '''Read this page in English: [[Hydrogeology of Angola | Hydrogeology of Angola]]'''  [[File: flag_of_the_united_kingdom.png  | 50px]]  
+
'''Read this page in English: [[Hydrogeology of Angola | Hydrogeology of Angola]]'''  [[File: flag_of_the_united_kingdom.png  | 50px]]  
  
[[File:CC-BY-SA_logo_88x31.png | frame | Este trabalho está licenciado com uma Licença [https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/ Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Unported]]]
+
 
 +
    '''Esta página está sendo desenvolvida'''
 +
 
 +
 
 +
 
 +
'''As informações textuais incluídas nesta página foram retiradas das referências apresentadas no final da página. Esta informação pode não estar actualizada. Caso possua informações mais recentes sobre a hidrogeologia de Angola, por favor entre em contacto.'''
  
  
Line 10: Line 15:
 
'''Dr Kirsty Upton''' e '''Brighid Ó Dochartaigh''', British Geological Survey, Reino Unido.
 
'''Dr Kirsty Upton''' e '''Brighid Ó Dochartaigh''', British Geological Survey, Reino Unido.
  
'''Dr Imogen Bellwood-Howard''', Institute of Development Studies, Reino Unido.
+
Deverá citar esta página do seguinte modo: Upton and Ó Dochartaigh, 2018.  
  
'''Miguel González''', Consultor Hidrogeológico, Angola
+
Referência bibliográfica: Upton, K, e Ó Dochartaigh, B É. 2018. Africa Groundwater Atlas: Hydrogeology of Angola. British Geological Survey. Último acesso a [data em que acedeu à informação].
 
+
http://earthwise.bgs.ac.uk/index.php/Hidrogeologia_de_Angola
Deverá citar esta página do seguinte modo: Upton, Ó Dochartaigh, Bellwood-Howard e González, 2018.  
 
  
Referência bibliográfica: Upton, K, Ó Dochartaigh, B É, Bellwood-Howard, I e M A González. 2018. Africa Groundwater Atlas: Hydrogeology of Angola. British Geological Survey. Último acesso a [data em que acedeu à informação].
 
http://earthwise.bgs.ac.uk/index.php/Hidrogeologia_de_Angola
 
  
 
==Termos e condições==
 
==Termos e condições==
Line 123: Line 125:
 
==Geologia==
 
==Geologia==
  
Esta secção apresenta uma síntese da geologia de Angola. É disponibilizada informação adicional no relatório [https://www.bgs.ac.uk/africaGroundwaterAtlas/atlas.cfc?method=ViewDetails&id=AGLA060001 '''Água Subterrânea na África Oriental, Central e Austral, Nações Unidas''' (''Groundwater in Eastern, Central and Southern Africa'')’] (Nações Unidas 1989).
+
Esta secção apresenta uma síntese da geologia de Angola. É disponibilizada informação adicional no relatório [http://www.bgs.ac.uk/africagroundwateratlas/fulldetails.cfm?id=AGLA060001 '''Água Subterrânea na África Oriental, Central e Austral, Nações Unidas''' (''Groundwater in Eastern, Central and Southern Africa'')’] (Nações Unidas 1989).
  
 
O mapa geológico expõe uma ersão simplificada da geologia à escala nacional (para mais pormenores, consulte a [[Geology | '''página de recursos geológicos''']]) (em inglês).
 
O mapa geológico expõe uma ersão simplificada da geologia à escala nacional (para mais pormenores, consulte a [[Geology | '''página de recursos geológicos''']]) (em inglês).
  
[https://www.bgs.ac.uk/africagroundwateratlas/downloadGIS.html '''Faça o baixar de um arquivo GIS do mapa de geologia e hidrogeologia de Angola'''].
 
  
A geologia de Angola é razoavelmente conhecida nas partes ocidentais do país, mas menos conhecida na parte oeste (DNA 2005). A geologia pode ser geralmente dividida em rochas sedimentares (geralmente facilmente resistidas e "macias") e rochas cristalinas (geralmente difíceis).
+
[[File:Angola_Geology2.png | center| thumb| 500 px| Geologia de Angola numa escala de 1:5 milhões. Desenvolvido a partir de mapas do U. S. Geological Survey (Persits et al., 2002). Para mais informações sobre como foi elaborado o mapa, consulte a [[Geology | '''página de recursos geológicos''']] (em inglês)]]
 
 
[[File:Angola_Geologia2.png | center| thumb| 500 px| Geologia de Angola numa escala de 1:5 milhões. Desenvolvido a partir de mapas do U. S. Geological Survey (Persits et al., 2002). Para mais informações sobre como foi elaborado o mapa, consulte a [[Geology | '''página de recursos geológicos''' (em inglês). [https://www.bgs.ac.uk/africagroundwateratlas/downloadGIS.html Faça o baixar de um arquivo GIS do mapa de geologia e hidrogeologia de Angola]]].
 
]]
 
  
  
Line 143: Line 141:
 
|Aluvião  
 
|Aluvião  
 
||Quaternário
 
||Quaternário
||Sedimentos aluviais não consolidados que preenchem os vales. Estes são mais espessos abaixo das planícies de inundação e deltas próximas da costa dos grandes rios - Cuanza, Zaire e Cunene.
+
||Sedimentos aluviais não consolidados que preenchem os vales.  
 
|-
 
|-
|Grupo Kalahari
+
|Terciário-Quaternário
||Terciário-Quaternário
+
||Grupo Kalahari
 
||Arenitos pouco consolidados e areias não consolidadas que cobrem a maioria da área oriental do país. Até 600 m de espessura.  
 
||Arenitos pouco consolidados e areias não consolidadas que cobrem a maioria da área oriental do país. Até 600 m de espessura.  
 +
|-
 +
!colspan="4"|Rochas Sedimentar Consolidada 
 
|-
 
|-
 
|
 
|
 
||Cretáceo-Terciário
 
||Cretáceo-Terciário
 
||Rochas sedimentares até 150 m de espessura da idade Aptiana-Maastrichtiana, por vezes arenito argiloso com depósitos de evaporitos marinhos. Com cobertura de rocha sedimentar até 1200 m de espessura das épocas Paleocena a Pliocena.
 
||Rochas sedimentares até 150 m de espessura da idade Aptiana-Maastrichtiana, por vezes arenito argiloso com depósitos de evaporitos marinhos. Com cobertura de rocha sedimentar até 1200 m de espessura das épocas Paleocena a Pliocena.
|-
 
!colspan="4"|Rochas Sedimentar Consolidada 
 
 
|-
 
|-
 
|Supergrupo Karoo
 
|Supergrupo Karoo
Line 178: Line 176:
 
|Substrato cristalino  
 
|Substrato cristalino  
 
||Arqueano
 
||Arqueano
||Rochas cristalinas, ígneas e metamórficas, na sua maioria granito, gneisse e gabro, que formam o cratão africano. Por vezes veios de quartzo. Exceptuando a área do litoral, existem rochas subterrâneas Precâmbricas na maioria da parte ocidental do país (DNA 2005).  
+
||Rochas cristalinas, ígneas e metamórficas, na sua maioria granito, gneisse e gabro, que formam o cratão africano. Por vezes veios de quartzo.  
 
|}
 
|}
  
Line 184: Line 182:
 
==Hidrogeologia==
 
==Hidrogeologia==
  
Esta secção apresenta um resumo da hidrogeologia dos principais aquíferos em Angola. É disponibilizada informação adicional no relatório [https://www.bgs.ac.uk/africaGroundwaterAtlas/atlas.cfc?method=ViewDetails&id=AGLA060001 '''Água Subterrânea na África Oriental, Central e Austral''' (''Groundwater in Eastern, Central and Southern Africa'')] (Nações Unidas 1989).   
+
Esta secção apresenta um resumo da hidrogeologia dos principais aquíferos em Angola. É disponibilizada informação adicional no relatório [http://www.bgs.ac.uk/africagroundwateratlas/fulldetails.cfm?id=AGLA060001 '''Água Subterrânea na África Oriental, Central e Austral''' (''Groundwater in Eastern, Central and Southern Africa'')] (Nações Unidas 1989).   
  
O mapa hidrogeológico nesta página expõe uma versão simplificada do tipo e rendimento dos principais aquíferos à escala nacional (para mais pormenores, consulte a [[Africa Groundwater Atlas Hydrogeology Maps | página mapa hidrogeológico]] (em inglês).
+
O mapa hidrogeológico expõe uma versão simplificada do tipo e rendimento dos principais aquíferos à escala nacional (para mais pormenores, consulte a [[Hydrogeology Map | página mapa hidrogeológico]] (em inglês).
  
[https://www.bgs.ac.uk/africagroundwateratlas/downloadGIS.html '''Faça o baixar de um arquivo GIS do mapa de geologia e hidrogeologia de Angola'''].
+
Foi publicado um mapa hidrogeológico de Angola numa escala de 1:1.500.000 por Hidroprojecto Consultores de Hidráulica e Salubridade SA (1990) (consulte a secção de Referências, no final).
  
Existem outros mapas hidrogeológicos de Angola:
+
Angola também foi incluída no mapa hidrogeológico geral da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC 2010), disponível através da [https://ggis.un-igrac.org/ggis-viewer/viewer/sadcgip/public/default '''SADC Groundwater Information Portal'''] (Portal de informação sobre águas subterrâneas).
  
* Angola foi incluída no mapa hidrogeológico geral da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC 2010), disponível através da [https://ggis.un-igrac.org/ggis-viewer/viewer/sadcgip/public/default '''SADC Groundwater Information Portal'''] (Portal de informação sobre águas subterrâneas).
 
* Foi publicado um mapa hidrogeológico de Angola numa escala de 1:1.500.000 por Hidroprojecto Consultores de Hidráulica e Salubridade SA (1990) (consulte a secção de Referências, no final).
 
* Um mapa hidrogeológico de Angola na escala de 1: 250 000 foi publicado pelo Banco Mundial Programma de Desenvolvimento das Nações Unidas.
 
  
Existem dados limitados sobre as características hidrogeológicas e o potencial de águas subterrâneas dos aquíferos angolanos. A maioria dos informações está disponível para as províncias do sudoeste das províncias do Huíla, Namibe e Cunene, onde muitos poços foram perfurados e cadastrados. Mas para alguns grupos de rochas existem somente poucos dados sobre poços (DNA 2005).
+
[[File:Angola_Hydrogeology2.png | center |  thumb | 500px | Hidrogeologia de Angola numa escala de 1:5 milhões. Para mais informações sobre como foi elaborado o mapa, consulte a página [[Hydrogeology Map | mapa hidrogeológico]] (em inglês)]]
  
  
[[File:Angola_Hidrogeologia2.png | center |  thumb | 500px | Hidrogeologia de Angola numa escala de 1:5 milhões. Para mais informações sobre como foi elaborado o mapa, consulte a página [[Africa Groundwater Atlas Hydrogeology Maps | mapa hidrogeológico]] (em inglês). [https://www.bgs.ac.uk/africagroundwateratlas/downloadGIS.html Faça o baixar de um arquivo GIS do mapa de geologia e hidrogeologia de Angola]]]
 
  
 
+
====Aquíferos não consolidada====
====Quaternário Aquíferos Não Consolidada====
 
 
{| class = "wikitable"
 
{| class = "wikitable"
|Aquíferos nomeados||Produtividade de aqüífero||Propriedades do aquífero e qualidade da água subterrânea
+
|Aquíferos nomeados||Período||Descrição geral||Qualidade da água  
 
|-
 
|-
|Aluvião - Quaternário
+
|Aluvião
||Variável: Baixa para Alta
+
||Quaternário
||A produtividade do aqüífero dependendo da litologia (se é dominado por areias e cascalhos permeáveis ou sedimentos de grãos finos de baixa permeabilidade), consistência e extensão lateral. Na melhor das hipóteses, os sedimentos aluviais em vales dos rios forman os melhores aqüíferos em Angola, com rendimentos de buraco registrados de 15 a 50 l / s (DNA, 2005). Os mais largos aquíferos alluvionares são encontrados nas províncias do Huíla, Benguela, Cuanza Sul, Bengo e Zaire (DNA, 2005). 
+
||Potencial de água subterrânea variável, de aqüíferos de baixa produtividade para aquíferos de alta produtividade. A produtividade do aqüífero dependendo da litologia (se é dominado por areias e cascalhos permeáveis ou sedimentos de grãos finos de baixa permeabilidade), consistência e extensão lateral.
 
+
||
Alguma água subterrânea nos aquíferos aluviais são reportadas como tendo elevadas concentrações de ferro e sulfato, provavelmente ligadas à baixa precipitação e evapotranspiração de alto potencial. Em alguns deltas e partes baixas de planícies aluvionares a qualidade da água subterrânea é influenciada pela água salgada (DNA, 2005).
 
 
|}
 
|}
  
 
====Aquíferos Sedimentar – Poros intergranulares====
 
====Aquíferos Sedimentar – Poros intergranulares====
 
{| class = "wikitable"
 
{| class = "wikitable"
|Aquíferos nomeados||Produtividade de aqüífero||Propriedades do aquífero e qualidade da água subterrânea
+
|Aquíferos nomeados||Período||Descrição geral||Qualidade da água
 
|-
 
|-
|Grupo Kalahari - Terciário-Quaternário
+
|Grupo Kalahari
||Moderado a Alto
+
||Terciário-Quaternário
 
||Achei um aqüífero de produtividade moderado a alto. O nível freático no Grupo Kalahari é mais superficial no norte e torna-se mais profundo em direcção ao sul, onde o Grupo Kalahari é no geral totalmente seco – Groundwater Consultants Bee Pee (Pty) Ltd, SRK Consulting (Pty) Ltd, 2002.
 
||Achei um aqüífero de produtividade moderado a alto. O nível freático no Grupo Kalahari é mais superficial no norte e torna-se mais profundo em direcção ao sul, onde o Grupo Kalahari é no geral totalmente seco – Groundwater Consultants Bee Pee (Pty) Ltd, SRK Consulting (Pty) Ltd, 2002.
 +
||
 
|}
 
|}
  
 
====Aquíferos Sedimentar – Poros intergranulares e fracturas====
 
====Aquíferos Sedimentar – Poros intergranulares e fracturas====
 
{| class = "wikitable"
 
{| class = "wikitable"
|Aquíferos nomeados||Produtividade de aqüífero||Propriedades do aquífero e qualidade da água subterrânea
+
|Aquíferos nomeados||Período||Descrição geral||Qualidade da água  
 
|-
 
|-
|Pequenos aquíferos nomeados ao longo da costa - Cretáceo-Terciário
+
|Pequenos aquíferos nomeados ao longo da costa  
||Moderado
+
||Cretáceo-Terciário  
 
||Arenitos argilosos ao longo da costa demonstraram originar aquíferos moderadamente produtivos.  
 
||Arenitos argilosos ao longo da costa demonstraram originar aquíferos moderadamente produtivos.  
 
+
||A água subterrânea pode ser relativamente mais mineralizada, o que por vezes está associado a formações geológicas com sais.  
A água subterrânea pode ser relativamente mais mineralizada, o que por vezes está associado a formações geológicas com sais.  
 
 
|-
 
|-
|Supergrupo Karoo (interior) - Carbonífero-Jurássico  
+
|Supergrupo Karoo (interior)
||Moderado
+
||Carbonífero-Jurássico  
 
||Estes podem gerar aquíferos produtivos
 
||Estes podem gerar aquíferos produtivos
 
+
||A água subterrânea pode ser relativamente mais mineralizada.
A água subterrânea pode ser relativamente mais mineralizada.
 
|}
 
 
 
====Aquíferos Sedimentar – Fracturas====
 
{| class = "wikitable"
 
|Aquíferos nomeados||Produtividade de aqüífero||Propriedades do aquífero e qualidade da água subterrânea
 
|-
 
|Rochas sedimentares metamórficas - Pré-cambriano (localmente Cambriano Inferior)
 
||Geralmente moderado, às vezes alto
 
||Alguns quartzitos, arenitos e conglomerados podem formar bons aqüíferos. Essas rochas estão espalhadas pela maioria dos distritos Precâmbricos, especialmente na parte sudoeste de Angola. Os rendimentos médios do furo são pensados para cerca de 3 l / s (DNA, 2005).
 
 
 
Rochas metamórficas do orogênio pan-africano - arenitos, limos, dolomita, greywackes e rochas vulcânicas - podem formar os aquígrados precambrianos de maior produtividade, com rendimentos médios de perfuração de 3 a 6 l / s ou até maiores. Essas rochas ocorrem em várias partes do país (DNA, 2005).  
 
 
|}
 
|}
  
 
====Aquíferos Substrato rochoso de base====
 
====Aquíferos Substrato rochoso de base====
 
{| class = "wikitable"
 
{| class = "wikitable"
|Aquíferos nomeados||Produtividade de aqüífero||Propriedades do aquífero e qualidade da água subterrânea
+
|Aquíferos nomeados||Período||Descrição geral||Qualidade da água  
 
|-
 
|-
|Substrato cristalino - Pré-cambriano
+
|Substrato cristalino e rochas sedimentares metamórficas
||Geralmente baixo, às vezes moderado 
+
||Pré-cambriano (localmente Cambriano Inferior)
||Formam aquíferos locais, geralmente de produtividade baixa, mas às vezes até moderada produtividade. A água subterrânea só é encontrada onde os aqüíferos são formados de fracturas e/ou por efeito de meteorização. Diferentes litologias dentro do Substrato rochoso de base têm diferentes características hidrogeológicas. Em geral, a productividade mais comum de granites e gnaisses e menos que 1 l/s,  especialmente quando os furos são inferiores a aproximadamente 50 m de profundidade (DNA, 2005).  
+
||Formam aquíferos locais, geralmente de produtividade baixa, mas às vezes até moderada produtividade. A água subterrânea só é encontrada onde os aqüíferos são formados de fracturas e/ou por efeito de meteorização. O melhor potencial da água subterrânea situa-se em zonas de veios de quartzo e rochas básicas; zonas de contacto entre rochas cristalinas de diferentes texturas e composição; zonas de gnaisse e granito fracturado; e zonas de contacto entre rochas vulcânicas metamorfizadas e quartzo-xisto.
  
As rochas básicas em Angola tais como gabros e norites são provavelmente os melhores aquíferos, e no mapa hidrogeológico de Angola as suas produtividades são frequentemente indicadas como sendo 3-5 l/s com uma taxa de sucesso de perfuração de 70-80% (DNA 2005). Rochas intrusivas básicas são encontradas tanto na parte norte quanto na parte sul do país.  
+
Em geral, aquíferos de baixa produtividade com furos de captação de água de baixo rendimento, mas alguns furos exibiram até 30 m³/hora em gabros fracturados. Um estudo demonstrou que o rendimento do furo estava directamente relacionado com a orientação das estruturas tectónicas (orientação das fracturas). Por exemplo, quando as fracturas estão na direcção Nordeste-Sudoeste, os rendimentos são inferiores a 3 m³/hora; e quando estão na direcção Norte-Sul, os rendimentos são superiores a 8,5 /hora (Nações Unidas, 1989).
  
Um estudo demonstrou que o rendimento do furo estava directamente relacionado com a orientação das estruturas tectónicas (orientação das fracturas). Por exemplo, quando as fracturas estão na direcção Nordeste-Sudoeste, os rendimentos são inferiores a 3 m³/hora; e quando estão na direcção Norte-Sul, os rendimentos são superiores a 8,5 m³/hora (Nações Unidas, 1989).
+
||
 +
|}
  
O melhor potencial da água subterrânea pode estar em zonas de veios de quartzo e rochas básicas; zonas de contacto entre rochas cristalinas de diferentes texturas e composição; zonas de gnaisse e granito fracturado; e zonas de contacto entre rochas vulcânicas metamorfizadas e quartzo-xisto.
 
|}
 
  
 
==Estado da água subterrânea==
 
==Estado da água subterrânea==
Line 269: Line 248:
 
A investigação realizada sobre a água subterrânea é limitada e não foram feitas estimativas dos recursos nacionais. No entanto, com base no potencial já identificado e no nível limitado do desenvolvimento existente, será seguro considerarmos que só está a ser usada uma parte muito reduzidas dos recursos nacionais de águas subterrâneas – Groundwater Consultants Bee Pee (Pty) Ltd, SRK Consulting (Pty) Ltd, 2002.
 
A investigação realizada sobre a água subterrânea é limitada e não foram feitas estimativas dos recursos nacionais. No entanto, com base no potencial já identificado e no nível limitado do desenvolvimento existente, será seguro considerarmos que só está a ser usada uma parte muito reduzidas dos recursos nacionais de águas subterrâneas – Groundwater Consultants Bee Pee (Pty) Ltd, SRK Consulting (Pty) Ltd, 2002.
  
Embora ainda não tenha sido feito o acompanhamento e avaliação, foi relatado um declínio na qualidade da água na zona costeira da Província do Namibe, muito provavelmente relacionado com a intrusão de água salgada (Groundwater Consultants Bee Pee (Pty) Ltd, SRK Consulting (Pty) Ltd, 2002.) Ao longo de toda a costa, a intrusão da água do mar pode ser um problema para os poços bombeados com alta capacidade, durante longos períodos (DNA, 2005). Contudo, outros sistemas de abastecimento de água urbanos e rurais que usam águas subterrâneas na região costeira não referiram intrusão de água salgada (Groundwater Consultants Bee Pee (Pty) Ltd, SRK Consulting (Pty) Ltd, 2002). A água subterrâneas mineralizada ão reportada ao longo da costa sul de Benguela e partes do interior do sudoeste de Angola, onde tanto o rendimento do poço quanto o teor de água subterrânea geralmente aumentam com a profundidade (DNA, 2005).
+
Embora ainda não tenha sido feito o acompanhamento e avaliação, foi relatado um declínio na qualidade da água na zona costeira da Província do Namibe, muito provavelmente relacionado com a intrusão de água salgada. Contudo, outros sistemas de abastecimento de água urbanos e rurais que usam águas subterrâneas na região costeira não referiram intrusão de água salgada Groundwater Consultants Bee Pee (Pty) Ltd, SRK Consulting (Pty) Ltd, 2002.  
 +
 
  
 
==Uso e Gestão da Água Subterrânea==
 
==Uso e Gestão da Água Subterrânea==
  
 
===Uso da água subterrânea===
 
===Uso da água subterrânea===
 
Um relatório de 2014 afirmou que 73% dos sistemas de água conhecidos em Angola usam fontes de água subterrânea, enquanto 27% usam água de superfície (Cowater 2014). Os furos perfurados equipados com bombas manuais representavam 36% de todos os sistemas de abastecimento de água (Cowater 2014). O uso das águas subterrâneas varia em todo o país, com algumas províncias ocupando mais de 90% dos suprimentos de água subterrânea, mas a maioria leva entre 40 e 80% do abastecimento de água das águas subterrâneas. Apenas três províncias levaram menos de 20% do abastecimento de água das águas subterrâneas (Cowater 2014).
 
  
 
A maioria dos centros urbanos recebe o seu fornecimento a partir de águas superficiais, mas as capitais de província de Malange, Benguela, Lubango e Namibe, bem como os centros urbanos de Tombwa e Lobito, dependem de águas subterrâneas, em maior ou menor dimensão. No geral, o uso da água subterrânea concentra-se nas zonas costeiras e do sul onde as condições são mais áridas e as águas superficiais disponíveis em menor escala. Além disso, a água subterrânea tem vindo a ser cada vez mais desenvolvida para os sistemas locais aumentarem o abastecimento urbano e as zonas periurbanas em franca expansão, em particular Luanda – Groundwater Consultants Bee Pee (Pty) Ltd, SRK Consulting (Pty) Ltd, 2002.
 
A maioria dos centros urbanos recebe o seu fornecimento a partir de águas superficiais, mas as capitais de província de Malange, Benguela, Lubango e Namibe, bem como os centros urbanos de Tombwa e Lobito, dependem de águas subterrâneas, em maior ou menor dimensão. No geral, o uso da água subterrânea concentra-se nas zonas costeiras e do sul onde as condições são mais áridas e as águas superficiais disponíveis em menor escala. Além disso, a água subterrânea tem vindo a ser cada vez mais desenvolvida para os sistemas locais aumentarem o abastecimento urbano e as zonas periurbanas em franca expansão, em particular Luanda – Groundwater Consultants Bee Pee (Pty) Ltd, SRK Consulting (Pty) Ltd, 2002.
Line 303: Line 281:
 
==Referências==
 
==Referências==
  
As obras que se seguem fornecem mais informações sobre a geologia e hidrogeologia de Angola. Estas, e outras, podem ser acedidas através do [https://www.bgs.ac.uk/africaGroundwaterAtlas/atlas.cfc?method=listResults&title_search=&author_search=&category_search=&country_search=AO&placeboolean=AND&singlecountry=1 '''Arquivo Bibliográfico sobre  Água Subterrânea em África'''] (Africa Groundwater Literature Archive).  
+
As obras que se seguem fornecem mais informações sobre a geologia e hidrogeologia de Angola. Estas, e outras, podem ser acedidas através do [http://www.bgs.ac.uk/africagroundwateratlas/searchResults.cfm?title_search=&author_search=&category_search=&country_search=AO&placeboolean=AND&singlecountry=1 '''Arquivo Bibliográfico sobre  Água Subterrânea em África'''] (Africa Groundwater Literature Archive).  
  
 
'''Recursos Internet'''
 
'''Recursos Internet'''
Line 310: Line 288:
  
 
[http://www.sadc.int/themes/natural-resources/water/ Informações gerais sobre recursos de águas superficiais e subterrâneas na SADC]
 
[http://www.sadc.int/themes/natural-resources/water/ Informações gerais sobre recursos de águas superficiais e subterrâneas na SADC]
 
[http://www.inrh.gv.ao/portal Portal Os Recursos Hídricos em Angola]
 
  
 
'''Documentos'''
 
'''Documentos'''
  
Altchenko Y and Vilholth KG. 2013. [http://link.springer.com/article/10.1007/s10040-013-1002-3 Transboundary aquifer mapping and management in Africa: a harmonised approach]. Hydrogeology Journal, Vol.21, Issue 7, 1497–1517.
+
Altchenko, Y, and Vilholth, K G. 2013. [http://link.springer.com/article/10.1007/s10040-013-1002-3 Transboundary aquifer mapping and management in Africa: a harmonised approach]. Hydrogeology Journal, Vol.21, Issue 7, 1497–1517.
 
 
Banco Mundial Programma de Desenvolvimento das Nações Unidas. Mapa Hidrogeológico de Angola, 1:250,000.
 
  
 
Cowater. 2012. Development of a Comprehensive National Rural Water Supply and Sanitation Program: Phase 1 Report (Draft). Submitted to National Directorate of Water Supply, Government of Angola, by Cowater International Inc, September 2012.
 
Cowater. 2012. Development of a Comprehensive National Rural Water Supply and Sanitation Program: Phase 1 Report (Draft). Submitted to National Directorate of Water Supply, Government of Angola, by Cowater International Inc, September 2012.
Line 323: Line 297:
 
Cowater. 2014. Development of a Comprehensive National Rural Water Supply and Sanitation Program: Phase 2 Report (Draft). Submitted to National Directorate of Water Supply, Government of Angola, by Cowater International Inc, October 2014.  
 
Cowater. 2014. Development of a Comprehensive National Rural Water Supply and Sanitation Program: Phase 2 Report (Draft). Submitted to National Directorate of Water Supply, Government of Angola, by Cowater International Inc, October 2014.  
  
Direcção Nacional de Águas (DNA). 2005. Avaliação Rápida dos Recursos Hídricos e Uso da Água em Angola. Relatório Final, Projecto de Gestão do Sector Nacional das Águas, Actividade C. República da Angola Ministério de Energia e Águas. Março de 2005
+
Direcção Nacional de Águas (DNA). 2005. Avaliação Rápida dos Recursos Hídricos e Uso da Água em Angola (Rapid Assessment of Water Resources and Use of Water in Angola). Relatório Final, Projecto de Gestão do Sector Nacional das Águas, Actividade C. República da Angola Ministério de Energia e Águas. Março de 2005 / Final Report, National Water Sector Management Project, Activity C. Republic of Angola Ministry of Energy and Water. March 2005.
  
Garrido M M-L, Reyes-Lopez JA, Ramírez-Hernández J, Temiño-Vela J & Martinez-Santos P. 2017. [https://www.researchgate.net/publication/320939103_Comparison_of_RSGIS_analysis_with_classic_mapping_approaches_for_siting_low-yield_boreholes_for_hand_pumps_in_crystalline_terrains_An_application_to_rural_communities_of_the_Caimbambo_province_Angola Comparison of RS/GIS analysis with classic mapping approaches for siting low-yield boreholes for hand pumps in crystalline terrains]. An application to rural communities of the Caimbambo province, Angola. Journal of African Earth Sciences 138. Doi: 10.1016/j.jafrearsci.2017.10.025
+
Groundwater Consultants Bee Pee (Pty) Ltd, SRK Consulting (Pty) Ltd. 2002. [http://www.bgs.ac.uk/africagroundwateratlas/fulldetails.cfm?id=AO4003 Compilation of the hydrogeological map atlas for the SADC region: Situation Analysis Report Annex A - Angola]. SADC Water Sector Coordinating Unit.
  
Groundwater Consultants Bee Pee (Pty) Ltd, SRK Consulting (Pty) Ltd. 2002. [https://www.bgs.ac.uk/africaGroundwaterAtlas/atlas.cfc?method=ViewDetails&id=AO4003 Compilation of the hydrogeological map atlas for the SADC region: Situation Analysis Report Annex A - Angola]. SADC Water Sector Coordinating Unit.
+
Hidroprojecto Consultores de Hidraulica e Salubridade SA. 1990. [http://www.bgs.ac.uk/africagroundwateratlas/fulldetails.cfm?id=AGLA300002 Mapa Hidrogeologico de Angola. Scale 1:1,500,000]. Lisboa & MacDonald & Partners Ltd Cambridge.
 
 
Hidroprojecto Consultores de Hidraulica e Salubridade SA. 1990. [https://fishy.bgr.de/whymis/images/country/angola.jpg '''Mapa Hidrogeologico de Angola'''. Scale 1:1,500,000]. Lisboa & MacDonald & Partners Ltd Cambridge.
 
 
 
Organização das Nações Unidas (United Nations). 1989. [https://www.bgs.ac.uk/africaGroundwaterAtlas/atlas.cfc?method=ViewDetails&id=AGLA060001 Groundwater in Eastern, Central and Southern Africa: Angola]. Departamento das Nações Unidas de Cooperação Técnica para o Desenvolvimento, série sobre Recursos Naturais/Água / United Nations Department of Technical Cooperation for Development, Natural Resources/Water Series, No.19, ST/TCD/6.
 
  
 
SADC. [http://www.riverawarenesskit.com/KuneneRAK-DVD/KUNENERAK_COM/_SYSTEM/DMSSTORAGE/4071EN/SADC_HGM_PROCEDURES_STANDARDS_2.PDF SADC Hydrogeological Mapping Procedures and Guidelines]. Technical report to the Southern African Development Community (SADC) and Cooperating Partners. European Union and GTZ.
 
SADC. [http://www.riverawarenesskit.com/KuneneRAK-DVD/KUNENERAK_COM/_SYSTEM/DMSSTORAGE/4071EN/SADC_HGM_PROCEDURES_STANDARDS_2.PDF SADC Hydrogeological Mapping Procedures and Guidelines]. Technical report to the Southern African Development Community (SADC) and Cooperating Partners. European Union and GTZ.
Line 337: Line 307:
 
SADC. 2009. [https://www.un-igrac.org/resource/sadc-hydrogeological-map-explanatory-brochure Explanatory Brochure for the South African Development Community (SADC) Hydrogeological Map & Atlas]. Technical Assistance to the Southern African Development Community (SADC). SADC Hydrogeological Mapping Project, 31 March 2009. União Europeia e a Agência Alemã de Cooperação Técnica GTZ / European Union and GTZ.
 
SADC. 2009. [https://www.un-igrac.org/resource/sadc-hydrogeological-map-explanatory-brochure Explanatory Brochure for the South African Development Community (SADC) Hydrogeological Map & Atlas]. Technical Assistance to the Southern African Development Community (SADC). SADC Hydrogeological Mapping Project, 31 March 2009. União Europeia e a Agência Alemã de Cooperação Técnica GTZ / European Union and GTZ.
  
SADC. 2010. [Technical Assistance to the SADC – 'SADC Hydrogeological Mapping Project' (9 ACP RPR 39-89); Final Report. Fundo Europeu de Desenvolvimento para a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), HGM-1, Março de 2010; relatório técnico apresentado à Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e Parceiros de Cooperação: União Europeia e a Agência Alemã de Cooperação Técnica GTZ.
+
Organização das Nações Unidas (United Nations). 1989. [http://www.bgs.ac.uk/africagroundwateratlas/fulldetails.cfm?id=AGLA060001 Groundwater in Eastern, Central and Southern Africa: Angola]. Departamento das Nações Unidas de Cooperação Técnica para o Desenvolvimento, série sobre Recursos Naturais/Água / United Nations Department of Technical Cooperation for Development, Natural Resources/Water Series, No.19, ST/TCD/6.
 
 
SADC-GIP. 2016. [http://sadc-gmi.org/wp-content/uploads/2017/03/SADC-GIP-brochure.pdf SADC Groundwater Information Portal Brochure] (Folheto do Portal de Informação sobre águas subterrâneas).
 
 
 
Traoré U. 2019. [http://www.rural-water-supply.net/en/resources/details/875 Challenges of Water Well Drillers & Water Well Drillers Associations: Case Studies of Six Countries (Angola, Burkina Faso, Mozambique, Nigeria, United States of America, and Uganda)]. Skat Foundation and the Rural Water Supply Network, St. Gallen Switzerland, September 2019.
 
 
 
Water and Sanitation Program. 2011. [https://openknowledge.worldbank.org/bitstream/handle/10986/17755/721720REVISED0000PUBLIC00CSO0angola.pdf?sequence=1&isAllowed=y An AMCOW Country Status Overview 2015 Water Supply and Sanitation in Angola]. Turning Finance into Services for 2015 and Beyond.
 
 
 
 
 
  
  

Please note that all contributions to Earthwise may be edited, altered, or removed by other contributors. If you do not want your writing to be edited mercilessly, then do not submit it here.
You are also promising us that you wrote this yourself, or copied it from a public domain or similar free resource (see Earthwise:Copyrights for details). Do not submit copyrighted work without permission!

Cancel Editing help (opens in new window)

  [] · [[]] · [[|]] · {{}} · · “” ‘’ «» ‹› „“ ‚‘ · ~ | °   · ± × ÷ ² ³ ½ · §
[[Category:]] · [[:File:]] · <code></code> · <syntaxhighlight></syntaxhighlight> · <includeonly></includeonly> · <noinclude></noinclude> · #REDIRECT[[]] · <translate></translate> · <languages/> · ==References== · {{reflist}} · ==Footnote== · {{reflist|group=note}} · <ref group=note> · __notoc__ · {{DEFAULTSORT:}} <div class="someclass noprint"></div> {{clear}} <br>