Editing Hidrogeologia de Angola

Jump to navigation Jump to search

Warning: You are not logged in. Your IP address will be publicly visible if you make any edits. If you log in or create an account, your edits will be attributed to your username, along with other benefits.

The edit can be undone. Please check the comparison below to verify that this is what you want to do, and then save the changes below to finish undoing the edit.

This page supports semantic in-text annotations (e.g. "[[Is specified as::World Heritage Site]]") to build structured and queryable content provided by Semantic MediaWiki. For a comprehensive description on how to use annotations or the #ask parser function, please have a look at the getting started, in-text annotation, or inline queries help pages.

Latest revision Your text
Line 274: Line 274:
  
 
===Uso da água subterrânea===
 
===Uso da água subterrânea===
 
Um relatório de 2014 afirmou que 73% dos sistemas de água conhecidos em Angola usam fontes de água subterrânea, enquanto 27% usam água de superfície (Cowater 2014). Os furos perfurados equipados com bombas manuais representavam 36% de todos os sistemas de abastecimento de água (Cowater 2014). O uso das águas subterrâneas varia em todo o país, com algumas províncias ocupando mais de 90% dos suprimentos de água subterrânea, mas a maioria leva entre 40 e 80% do abastecimento de água das águas subterrâneas. Apenas três províncias levaram menos de 20% do abastecimento de água das águas subterrâneas (Cowater 2014).
 
  
 
A maioria dos centros urbanos recebe o seu fornecimento a partir de águas superficiais, mas as capitais de província de Malange, Benguela, Lubango e Namibe, bem como os centros urbanos de Tombwa e Lobito, dependem de águas subterrâneas, em maior ou menor dimensão. No geral, o uso da água subterrânea concentra-se nas zonas costeiras e do sul onde as condições são mais áridas e as águas superficiais disponíveis em menor escala. Além disso, a água subterrânea tem vindo a ser cada vez mais desenvolvida para os sistemas locais aumentarem o abastecimento urbano e as zonas periurbanas em franca expansão, em particular Luanda – Groundwater Consultants Bee Pee (Pty) Ltd, SRK Consulting (Pty) Ltd, 2002.
 
A maioria dos centros urbanos recebe o seu fornecimento a partir de águas superficiais, mas as capitais de província de Malange, Benguela, Lubango e Namibe, bem como os centros urbanos de Tombwa e Lobito, dependem de águas subterrâneas, em maior ou menor dimensão. No geral, o uso da água subterrânea concentra-se nas zonas costeiras e do sul onde as condições são mais áridas e as águas superficiais disponíveis em menor escala. Além disso, a água subterrânea tem vindo a ser cada vez mais desenvolvida para os sistemas locais aumentarem o abastecimento urbano e as zonas periurbanas em franca expansão, em particular Luanda – Groundwater Consultants Bee Pee (Pty) Ltd, SRK Consulting (Pty) Ltd, 2002.

Please note that all contributions to Earthwise may be edited, altered, or removed by other contributors. If you do not want your writing to be edited mercilessly, then do not submit it here.
You are also promising us that you wrote this yourself, or copied it from a public domain or similar free resource (see Earthwise:Copyrights for details). Do not submit copyrighted work without permission!

Cancel Editing help (opens in new window)

  [] · [[]] · [[|]] · {{}} · · “” ‘’ «» ‹› „“ ‚‘ · ~ | °   · ± × ÷ ² ³ ½ · §
[[Category:]] · [[:File:]] · <code></code> · <syntaxhighlight></syntaxhighlight> · <includeonly></includeonly> · <noinclude></noinclude> · #REDIRECT[[]] · <translate></translate> · <languages/> · ==References== · {{reflist}} · ==Footnote== · {{reflist|group=note}} · <ref group=note> · __notoc__ · {{DEFAULTSORT:}} <div class="someclass noprint"></div> {{clear}} <br>